"Não se calem jamais", escreveu Pamella Holanda após denunciar agressões



Vídeos gravados por câmeras de segurança interna mostram o produtor musical Iverson de Souza Araújo, conhecido como DJ Ivis, agredindo a ex-mulher na frente da filha de nove meses, da mãe de Pamella Holanda e outro homem ainda não identificado. As imagens são de câmeras de circuito interno de segurança da residência em que ambos moravam. As filmagens foram publicadas pela própria Pamella Holanda em suas redes sociais na noite deste domingo (11). Além dos vídeos, a digital influencer também postou fotos de como o seu rosto teria ficado após as agressões.


As agressões foram denunciadas em julho deste ano, após Pamella Holanda ser agredida na cidade de Eusébio, na Grande Fortaleza. Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Ceará (SSPDS), a mulher registrou ocorrência de lesão corporal no âmbito da violência doméstica no último dia 3.


A secretaria não divulgou detalhes da investigação, como por exemplo, se o DJ ou testemunhas já prestaram depoimento, mas emitiu nota informando que um inquérito foi aberto e um BO registrado em 3 de julho.


A arquiteta e digital influencer Pamella Holanda se manifestou pela primeira vez nesta segunda-feira (12), em redes sociais, após a divulgação dos vídeos em que é agredida pelo ex-marido.

"Eu me calei por muito tempo! Eu sofria com minha filha, sem apoio até dos que diziam estar ali pra ajudar, que eram coniventes e presenciavam tudo calados sem interferir com a desculpa que eu tinha que aguentar calada porque era o 'jeito dele', era esse o 'temperamento dele' e que se eu quisesse viver com ele, teria que me sujeitar e ser submissa. Não se calem!!! Não se calem jamais!!! Eu não vou me calar!", escreveu no Instagram.

Ainda na publicação, Pamella agradeceu o apoio e disse que está bem junto da filha de 9 meses.


Segundo a Secretaria da Segurança, um inquérito policial para apurar as agressões foi instaurado. No entanto, não foi possível prender Ivis em flagrante, porque as agressões ocorreram no dia 1º de julho, e as denúncias feitas no dia 3. A detenção por flagrante delito ocorre em até 24 horas de um crime efetivado.


A Polícia Civil solicitou ao Poder Judiciário medidas protetivas de urgência em favor de Pamella, que foram concedidas no dia 4. Segundo a Secretaria da Segurança, o caso segue em investigação, e as filmagens ainda não tinham sido apresentadas.



INFORMAÇÕES E TEXTO: Portal G1

0 comentário